CONCEPÇÃO E ASCENDENTES ESPIRITUAIS

Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e todo o mais vos será dado por acréscimo (Mateus, 6:33)

 

[...]Galileu, que fazes na cidade? Passo por Jerusalém, buscando a fundação do Reino de Deus! Exclamou o Cristo, com modesta nobreza.24 Reino de Deus? Tornou o sacerdote com acentuada ironia.  E que pensas tu venha a ser isso? Esse Reino é a obra divina no coração dos homens! (Humberto de Campos, Boa Nova, Primeiras Pregações)

Os congressos espíritas do Rio Grande do Sul, desde a sua primeira edição, têm se constituído em marcos positivos em nosso Movimento Espírita, implementando a difusão do Espiritismo a milhares de pessoas, unindo os seareiros espíritas do Rio Grande do Sul e do Brasil e acelerando o processo de transição planetária rumo à regeneração.

 

Desde a fundação da Federação Espírita do Rio Grande do Sul, à captação de trabalhadores para o Movimento Espírita, passando por contribuições sociais de grande relevância, contam-se os frutos de nossos congressos como sendo dos mais expressivos, apontando-nos para a continuidade e para o avanço desta ação de sublime interação entre os Espíritos Benfeitores e os servidores encarnados.

 

Em sua nona e mais recente edição, o evento foi desenvolvido a partir do tema “Espiritualidade nas relações: para viver e conviver em paz”, corporificando a colheita espiritual inspirada desde o sexto Congresso no Evangelho de Marcos: “Primeiro a erva, depois a espiga, por último o grão cheio na espiga” (Marcos, 4:28).

 

Dentre os fatos mais marcantes do 9º Congresso Espírita do Rio Grande do Sul, podemos destacar a coordenação espiritual de Cecília Rocha, orientando a equipe organizadora a um avanço metodológico importante, qual seja, a adoção do diálogo como ferramenta de convivência e reflexão. Foi assim que, em sua última edição, o evento desdobrou-se em painéis, mesas de diálogo e oficinas dialógicas oportunizadas aos quase 5 mil participantes.

 

A transição foi necessária, na medida em que as características e demandas do público e da sociedade contemporânea apontam-nos a necessidade de não nos limitarmos à fala e à escuta como recursos pedagógicos e andragógicos. É preciso alimentarmos o intelecto com os princípios da Doutrina Espírita em seu tríplice aspecto, mas, sobretudo, estamos diante do desafio de educar os sentimentos, estimularmos e orientarmos a viagem interior, fomentarmos uma convivência equilibrada e pacífica, edificarmos o Reino de Deus no coração dos homens.

 

Quanto mais nos voltamos para a metodologia empregada por Jesus ao arrebatar as almas para a Boa Nova, ao confundir os orgulhosos e bem-aventurar os vencidos do mundo, mais nos aproximamos da visão de um verdadeiro Mestre. Um Mestre que fala, ouve, percebe, oportuniza, orienta, vivencia, reflete, desperta, ensina: um Mestre que educa.

 

Quando os sinais dos tempos surgem sobre a Terra, o homem velho precisa render-se ao Evangelho Redivivo, transformando os seus hábitos e fazendo-se digno do banquete de núpcias, retornando à casa do Pai e edificando finalmente o Reino de Deus no próprio coração.

 

A educação de cada filho de Deus para viver em um reino que não é deste mundo é obra redentora, a ser inspirada e conduzida por Ele, o Governador Espiritual da Terra, o modelo e guia da humanidade, o sublime Rabi da Galileia.

 

Se nos congressos anteriores vivenciamos a semeadura, o trato da planta tenra, a colheita dos frutos e a celebração da colheita, pusemo-nos, pois, diante do necessário emprego dos recursos que nos chegam. Estamos, todos nós, convidados e desafiados a fazermos escolhas maduras, coerentes com a nossa condição de impermanência corpórea, de Espíritos imortais, de filhos de Deus.

 

O tema em que nos cabe mergulhar há de ser um novo conjunto dos hábitos  adquiridos[1], hábitos forjados pelo exemplo de Jesus para que, finalmente, conquistemos o Reino de Deus – que Ele veio anunciar e implantar na Terra.

 

Para os vícios, vacilações e todos os hábitos infelizes: educação. Para as dores e conflitos íntimos, familiares e sociais: Jesus. Para a conquista do Reino de Deus: Educação com Jesus. Eis o tema proposto para o 10º Congresso Espírita do Rio Grande do Sul: “Educação com Jesus: a Conquista do Reino de Deus[2]

Referências:

[1] Conceito de educação cunhado por Allan Kardec no comentário à questão 685 de O Livro dos Espíritos.

[2] O tema origina-se da fusão de outras duas temáticas, que se fizeram as de maior preferência em “brainstormming” realizado com a diretoria executiva da FERGS no dia 23.01.2018.

© 2018 por Federação Espírita do Rio Grande do Sul

Área de Comunicação Social Espírita

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram