A construção interna do Reino de Deus como projeto educacional do espiritismo

Haroldo Dutra Dias abordou no sábado (12) e domingo (13) o tema central do 10° Congresso Espírita do RS


Educar os sentimentos e, por consequência, o espírito é um dos objetivos que o 10° Congresso Espírita do RS propõe aos público geral e aos envolvidos na execução do evento. No sábado (12) e domingo (13), Haroldo Dutra Dias ministrou o painel “Educação e Evangelho: o Reino de Deus no coração dos homens”.

O painelista abordou o tema ao apresentar o projeto educacional de três correntes de crença para entender como diferentes grupos se relacionam com o Reino de Deus. Começando com a Corrente Materialista, Haroldo explicou que ela propõe basicamente o seguinte: o ser humano nada mais é do que uma reunião de células e dessa reunião surge a consciência.


“Se seu corpo físico morre, morreu você, sua história, sua memória, seu amor, sua dedicação, seus valores, sua resistência e idealismo. É uma vida do berço ao túmulo”, falou. Para ele, essa corrente possui um projeto educacional que visa formar trabalhadores e empreendedores. É para ensinar as pessoas a produzir bens e serviços.


Por outro lado, para a Corrente Panteísta, contou Haroldo, somos apenas uma junção de células, na verdade somos um todo. Tão logo vem a morte e nós nos reunimos no caldeirão do todo. E ele questionou: Mas você conserva a sua individualidade? A resposta foi “Não, porque você é a mesma coisa que tudo”.


Segundo o painelista, no panteísmo, as suas relações, pensamentos, memória, expectativas não têm sentido porque no final você é uma gota que se une ao Oceano. Tudo é uma coisa só. “Qual é o projeto educacional da corrente panteísta? Fazer com que você elimine emoções, ideias, pensamentos. Tudo isso invadiu os Estados Unidos da América e como eles são bons em divulgar as coisas, o panteísmo está se espalhando pelo mundo”, destacou.

A terceira corrente, segundo Haroldo, é Corrente Teísta: “Há um Deus, criador de tudo. E o seu projeto educacional é criar um conjunto ou lista de condutas morais, de exigências para que eu participe do grupo que adora esse Deus. Formar adoradores. Nessa versão só tem um probleminha. Várias escolas religiosas acreditam que o Deus delas é o verdadeiro Deus”, destacou.


Então, segundo ele, essas correntes se tornaram também proselitistas, negando ao outro a dignidade, a legitimidade da fé, porque ele não está dentro do ciclo. “Os adoradores de Deus é a turma mais complicada do planeta. E o que os adoradores de Jesus, em seus movimentos macro, nos legaram? Cruzadas, Inquisição espanhola, Noite de São Bartolomeu. O que os adoradores de Deus reproduziram hoje? Onze de setembro, ataques a sinagogas, ataques a igrejas, ataques a terreiros de matriz africana”, exemplificou.



Doutrina espírita e seu projeto educacional com Jesus


Após apresentar as 3 correntes, Haroldo lembrou que surge a Doutrina Espírita e redefine Jesus, apresentando um projeto educacional que convive com os outros três. “Podemos estar numa ignorância santa, que conhece o Espiritismo mas ainda vive conforme as diretrizes dos outros projetos. Há um limite para o conhecimento humano. Não sabemos tudo e nunca vamos saber. Saber tudo é ser a inteligência suprema ao lado de Deus. Se há um limite precisamos nos ater ao que é essencial”, explicou.


Para Haroldo, o mundo está cheio de informação e precisamos desenvolver a capacidade de reter o essencial. “E o que sabemos sobre Deus é o essencial. Não possuímos um sentido capaz de entender a natureza de Deus. A diferença do espiritismo e do panteísmo: você pode reunir tudo que tem no Universo, isso ainda não é Deus. A criação está nEle mas Ele não é a reunião de tudo. Deus não possui elementos para serem comparados com o ser humano. Nós somos consciências espirituais que nunca vão perder a individualidade”, acrescentou.


Em sua fala, o painelista falou sobre sermos consciências imortais em processo evolutivo eterno. Todos são co-criadores, porque Deus nos deu a responsabilidade de criar nossa realidade particular. “Tem quem confunda livre-arbítrio com fazer o que quiser, mas ele não é absoluto. Existem parâmetros que Deus definiu e não podem ser mudados. A criação é infinita. A humanidade é a soma de todos os seres, de todos os homens do Universo infinito. Fazemos parte de uma grande família universal. E o projeto agora é educação”, destacou.

Então, Haroldo questionou: Educação para quê? Para produzir bens e serviços? Será que é só isso? Será que não é isso? Para ele, o materialismo nos ensinou algo, que alguém não vai ficar isolado meditando e orando com o mundo caindo a sua volta, porque alguém tem que plantar, alguém tem que colher, alguém tem que organizar.


“O projeto educacional espírita também ensina a lidar com a matéria mas não se esgota no materialismo. O panteísmo nos ensinou que há uma conexão entre todas as coisas do Universo. Está conectado porque Deus nos criou com Wi-Fi. Conectar-se não significa diluir-se, a individualidade sempre se mantém”, explicou.


Para Haroldo, é necessário esculpir-nos por dentro para manifestar a glória de Deus. “O Reino de Deus é a obra divina no coração dos homens, é dentro, porque sendo dentro se manifesta. Educa e transformarás a irracionalidade em inteligência, a inteligência em humanidade e a humanidade em angelitude. Educa e edificarás o paraíso na Terra. Se sabemos que o Senhor habita em nós, aperfeiçoemos a nossa vida a fim de manifestar”, indicou.


O painelista destacou que o projeto educacional espírita não é transformar seres humanos em seres superiores, porque isso seria apenas realçar o que há de humano, de frágil, de perverso. Para ele, por isso Jesus diz no Sermão do Monte: “brilhe a vossa luz para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a Deus”. Haroldo lembrou o público que Deus prefere se manifestar por nós, cuida de nós através de alguém.


“A bondade que sustenta o Universo é a Divina, não a sua. Você se inspira e é sustentado por Deus. Ser um instrumento do Criador: esse é o projeto. Nesse projeto educacional que é a construção do Reino de Deus em nós, fica atento ao que está sendo construído dentro de você, porque quando o Reino de Deus está sendo construído dentro de você, você se torna mais pacífico e mais paciente. Você se torna mais amoroso. Você tem poder de perdão maior. Você tem uma coragem maior”, discursou.


Haroldo destacou em ambos painéis que o Reino de Deus é um processo interior para darmos frutos. Para ele, dar frutos é o coroamento, por isso não devemos desprezar o processo.

167 visualizações

© 2018 por Federação Espírita do Rio Grande do Sul

Área de Comunicação Social Espírita

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram